Para você


Para de ficar não telefonado assim todos os dias e de gritar essas coisas miúdas no meio dessas conversas esfarrapadas escatológicas e espalhafatosas que você fica o dia inteiro imaginado dentro dessa sua cabeça rouca dessa existência pouca dessa coisa louca que para você. Para. Para de ficar sussurrando essas coisas grandes essas coisas gangues essas coisas graves no meio desses silêncios todos. E vê se para de fingir que corações são portas possíveis de ser abertas como feridas fingidas frigidas fundidas fugidas desse quarteirão de mundo inundo imundo onde não conhecemos nenhum Raimundo e não temos (dis) solução. Tudo de mim para você. Para de ficar ouvindo essas fotos e de folhear esses discos enquanto olha exaustiva evasiva existencialmente todos esses livros para de ficar contando estrêlas, bobo senão seus dedos enchem de berrugas e você não consegue mais tocar o céu o violão ou vida...que é tudo de mim que para você enquanto você para. É para você parar de ficar pairando no bar no mar ou no ar que é para quedas para você pairar. Para de querer viver a todo custo a todo incurso e a todo o musgo e para de ouvir esse disco do Chet Baker pelo amor de Deus e para sobretudo de parar e de fumar e de estar e de esperar nas entrelinhas dessa ida dessa lida dessa vida que é tudo isso que é para e que para você.

3 comentários:

  1. Quando leio seus textos, até dá uma acelarada aqui dentro..
    Camila vc enfeitiça.

    ResponderExcluir
  2. vi seu post divulgando o blog em uma comunidade, descoberta boa. tu escreve bem.

    ResponderExcluir